13 Reasons Why: vamos falar dos sentimentos?

A série 13 Reasons Why (Os 13 porquês) está super em alta e nas redes sociais é basicamente o assunto do momento. Aproveitei o final de semana e em dois dias vi toda a série. Valeu super a pena!

Confesso que foi complicado pra mim, pois achei a série forte. Muitas cenas de estupro, de dor e de violência que me sufocaram. Porém, é um assunto que muito me interessa devido ao meu trabalho como professora e obviamente por ser parte de uma sociedade que está inserida neste contexto.

Eu sou um pouco velha e na minha época não existia a palavra bullying, mas ela fazia parte da minha vida assim como de todos nós. Não lembro de ter sofrido bullying antes da minha 8ª série (hoje 9º ano/9), mas tive vários colegas que sim. Algumas vezes lutei por eles e obviamente sofri as consequências que é interessante ressaltar que não me arrependo.

Por lembrar como é a adolescência acredito muito na importância da série e da forma como ela aborda o assunto. Nossos jovens na maioria das vezes não compreendem que cada um reagirá de forma diferente a determinadas situações e levam tudo na brincadeira. Não compreendem que para um é uma coisa boba e para outro é um gatilho para várias consequências.

Bullying não traz somente consequências para quem sofre, mas quem pratica. A série foi maravilhosa nesse sentido, pois mostra que não traz consequências somente jurídicas, mas psicológicas também.

Infelizmente vivemos em uma sociedade que incompreende o diferente. Seja este diferente no físico ou psicológico. O que é muito louco, porque todos nós somos diferentes um do outro em alguma coisa. No máximo somos parecidos com o outro.

O diferente sempre me atraiu! Dentro da licenciatura trabalho com pessoas com deficiência e seja na sala regular ou não vejo um erro gravíssimo: trabalhar a igualdade. Todos nós somos diferentes e acredito na luta pela equidade para assim conquistarmos nossos direitos com justiça.

Sugiro aos pais que antes de deixarem os filhos assistirem a série busquem assistir primeiro para então decidirem se deixarão eles assistirem sozinhos ou se irão acompanhar com eles. Mesmo que deixem eles assistirem sós indico conversarem com os filhos a cada episódio.

Sentimento é algo muito sério e diferente da escola particular os alunos da escola pública não tem orientador como o Sr. Porter na série 13 Reasons Why. Eu sempre me coloquei a disposição dos alunos da escola (não somente os meus) para falarmos sobre os sentimentos e buscarmos juntos compreender tudo. Algo que facilita é eu ser uma professora fisicamente nova, aparento ter a idade deles.

Muitos me procuram, deixo sempre eles colocarem o ponto de vista deles e ao final não coloco meu, mas faço reflexões. Julgar/ pensar o pior é sempre o caminho mais fácil. Difícil é ter empatia, se colocar no lugar do outro.

Somos responsáveis pelo outro! Não tem problema não estar tudo bem, mas juntos podemos passar por qualquer coisa. Tudo ficará mais fácil., acredite.

Vamos começar com coisas simples! Que tal dizer ‘bom dia’ a um desconhecido? Ou um ‘eu te amo’ àquela pessoa que amamos e por isso achamos que não precisamos dizer?

Beijos,

Thálita Montenegro é formada em licenciatura plena em pedagogia, pós-graduada em Educação Especial e professora. Criou o blog Thah de Pavulagem em 2011 por amar escrever e compartilhar suas experiências. Paraense, 27 anos, sagitariana, louca por livros, academia e tudo do universo feminino

VEJA TAMBÉM

Feliz Páscoa! Feliz Ano Novo! Metas de 2017?

Acredito que este será o post mais motivacional/autoajuda que já fiz neste blog. Então, se estiver precisando ou não ler, fica mais um pouco e leia até o fim. Pode ser que nem saibas que precisas destas palavras. Então, desde já, Feliz Páscoa! Feliz Ano Novo.

Thálita, feliz Ano Novo em abril? Bom, prometi que meu primeiro post este ano seria sobre minhas metas de 2017 como estava acostumada a fazer, mas este post não veio. Queria fazer vídeo e o vídeo não veio. Peço inclusive desculpas por isso.

Ano de 2016 foi o pior ano da minha vida! Olha que eu pensei que tivesse sido 2012, mas 2016 conseguiu superar. Ainda hoje está sendo muito difícil levantar, mas eu digo pra mim mesma depois de tanta coisa que passei que meu Ano Novo está sendo em abril.

Vários anos passei fazendo uma lista de metas, mas este ano fiz diferente. Tenho somente uma meta e sabe qual é? Ser feliz.

A gente erra demais, faz muita coisa sem perceber que as consequências serão as piores possíveis e que não estamos preparados para elas. E então vem a cobrança, vem o desespero, vem o arrependimento e vira uma bola de neve. Por vezes nem é nossa culpa e nem culpa do outro, mas somos humanos e imperfeitos.

O melhor a se fazer é acalmar, parar e repensar. Nossa como isso é difícil! Mas te lembro: a lagarta só se torna borboleta porque na fase de pupa constrói um casulo e lá repousa de uma semana a um mês dependendo da espécie (da necessidade). Quando ela estiver preparada rompe o casulo e a transformação foi feita: se tornou borboleta!

Uma transformação radical assim só se faz com dor, sofrimento. Só nascemos porque nossa mãe sentiu dor! Óbvio que gostaríamos que as coisas fossem mais fáceis, mas nem sempre é assim e nem por isso vamos deixar de acreditar num futuro melhor. E lembro também que nem sempre aprendemos no amor e vem a dor para nos ensinar.

Lá em 2012 quando eu passava por dificuldades uma pessoa me apresentou um texto que hoje também está me ajudando. O texto ‘Largar o copo‘. Ele diz que a gente precisa largar o copo para ser feliz, porque quanto mais a gente segura mais pesado fica, mais dor sentimos.

E é muito difícil conseguirmos fazer isso. Se temos um sonho é difícil deixar ir, se amamos alguém é difícil deixar ir. Porém, diversas vezes é necessário para que as coisas se ajeitem e a vida continue seu curso.

Não por isso somos fracos, pois com certeza lutamos muito para que aquilo que queríamos acontecesse. E pode até ser que aconteça depois de conseguirmos largar. Não aconteceu antes porque não era a hora ou não estávamos preparados. Porém, se não acontecer tudo bem também, pois algo melhor nos espera.

A vida é difícil porque não conseguimos largar o copo, não conseguimos viver leve. Tudo bem passar por tristezas, chorar, mas lembre que essa fase vai passar. Leia também o texto ‘Tudo Passa‘ do Chico Xavier que é maravilhoso.

Para encontrarmos a paz e a felicidade não podemos deixar o orgulho tomar conta. Sejamos sempre amor, sempre bom, sempre luz. Vamos deixar o tempo fazer seu papel.

E mais uma coisa: precisando eu sempre estarei aqui! A gente pode se conhecer ou não, mas estou disposta a te ajudar mesmo quando eu estiver também precisando de ajuda. Tu não estás só!

Páscoa é renascimento! Vamos renovar nossos sonhos, nossas metas! Feliz Páscoa! Feliz Ano Novo!

Beijos,

Thálita Montenegro é formada em licenciatura plena em pedagogia, pós-graduada em Educação Especial e professora. Criou o blog Thah de Pavulagem em 2011 por amar escrever e compartilhar suas experiências. Paraense, 27 anos, sagitariana, louca por livros, academia e tudo do universo feminino

VEJA TAMBÉM

Esmalte: Ana da Vult + cobertura fosca

Eu fico sempre um período desmotivada com as unhas, não esmalto e quando volto, volto com força total. Deu uma saudade de esmalte rosa e escolhi o Ana da Vult. Amor a primeira vista!

Queria um esmalte rosa bem barbiezinha, sabe? Aquele rosa de chiclete e essa é a cor do esmalte Ana. Porém, estou em uma fase de esmalte fosco e por esta razão usei em cima da cobertura estra fosca da Impala e a cor mudou um pouco, mas ficou do jeito que eu queria.

Conselho de amiga: sempre tenha uma cobertura fosca em casa! Ela salva aqueles dias que estamos cansadas da mesmice.

O ponto positivo dos esmaltes da Vult é que eles secam com uma rapidez surpreendente e hoje eu praticamente não uso outra marca. Porém, esta cor especificamente tem um ponto negativo: cobertura ruim. Precisei de três camadas para ficar com esta aparência, pois é bem ralinho.

Comprei o meu na Renner por R$8.

Gostaram?

Beijo

Thálita Montenegro é formada em licenciatura plena em pedagogia, pós-graduada em Educação Especial e professora. Criou o blog Thah de Pavulagem em 2011 por amar escrever e compartilhar suas experiências. Paraense, 27 anos, sagitariana, louca por livros, academia e tudo do universo feminino

VEJA TAMBÉM

Cuide-se Bem: promoção O Boticário

Quem lembra da ação da O Boticário ano passado com a linha Nativa Spa? Mais uma vez a O Boticário faz uma mega promoção, mas dessa a linha escolhida foi a Cuide-se Bem. Achei excelente já que não conheço esta linha e terei a oportunidade agora.

Para participar basta entrar neste link AQUI, se cadastrar e indicar a promoção a uma amiga! Não precisa fazer nenhuma compra na loja, apenas o cadastro! É importante que quem quiser participar corra para se cadastrar pois cada loja tem uma quantidade limitada de produto e pode ser que aquela loja mais próxima não possa mais ser escolhida.

Cada pessoa só poderá participar uma única vez já que precisa usar o CPF no cadastro. A promoção é válida de hoje dia 27/03 até 12/04/2017 ou enquanto durar o estoque, portanto, corram porque acaba rápido!

Beijos,

Thálita Montenegro é formada em licenciatura plena em pedagogia, pós-graduada em Educação Especial e professora. Criou o blog Thah de Pavulagem em 2011 por amar escrever e compartilhar suas experiências. Paraense, 27 anos, sagitariana, louca por livros, academia e tudo do universo feminino

VEJA TAMBÉM

5 filmes para assistir #4

Hoje faz 72 anos do Holocausto e acredito ser uma excelente oportunidade de ser o primeiro post do blog este ano. O próximo post será com certeza sobre as metas de 2017. A minha intenção era gravar esse final de semana, mas como fiz uma cirurgia e não estou conseguindo falar direito, fica pro próximo final de semana.

Separei 5 filmes sobre o assunto que além aprendermos um pouco sobre a história, nos faz repensar a vida, nossas atitudes.

1 – O menino do pijama listrado (The Boy in the Striped Pyjamas – 2008)
Sinceramente só vi este filme uma única vez. É um filme pesado e ao mesmo tempo muito lindo. Vale a pena assistir.

O filme se passa na Alemanha e conta a história de Bruno e que tem apenas 8 anos e se muda com o pai e a mãe para um campo de concentração. Sem saber o que o pai faz começa a explorar o local e conhece Shmuel de mais ou mesmo a sua idade e que usa um pijama listrado. A amizade vai crescendo e eles não tem ideia do perigo que correm.

 

2 – Olga (2004)
Filme brasileiro conta a história de Olga Benário Prestes que foi uma militante comunista. Perseguida pela policia, foge para Moscou onde recebe treinamento militar e é encarregada de levar ao Brasil Luis Carlos Prestes. O romance nasce e com ele muita luta pela sobrevivência e o amor.

 

3 – A lista de Shindler (Schindler’s List – 1993)
Um dos filmes mais conhecidos e recomendados. Conta a história de Oskar Schindler comerciante no mercado negro, oportunista, que era membro do Partido Nazista. Porém, ao mesmo tempo amava o ser humano e conseguiu salvar mais de mil judeus no campo de concentração.

 

4 – O diário de Anne Frank (The Diary of Anne Frank – 1959 e Das Tagebuch der Anne Frank – 2016)
Muito batido, mas eu não poderia deixar de fora! Uma jovem de 13 anos se refugiou junto com a família em um esconderijo devido a perseguição com os nazistas. Apesar disso acreditam em dias melhores.

 

5 – A vida é bela (La vita e bella – 1999)
Também muito batido, mas um dos filmes mais lindos. Conta a história de Guido e seu filho Giosué que são levado para um campo de concentração nazista. Afastado da esposa, ele mostra todo o seu amor a seu filho ao usar a sua imaginação para o garoto acreditar que tudo o que passa é uma brincadeira.

Obviamente temos vários outros filmes sobre o assunto e deixo livre os comentários para vocês indicarem! Espero que tenham gostado e que esse seja o primeiro post de muitos deste ano de 2017.

Beijos,

Thálita Montenegro é formada em licenciatura plena em pedagogia, pós-graduada em Educação Especial e professora. Criou o blog Thah de Pavulagem em 2011 por amar escrever e compartilhar suas experiências. Paraense, 27 anos, sagitariana, louca por livros, academia e tudo do universo feminino

VEJA TAMBÉM